Resenha | Depois – Stephen King [P. S. Allen]

Olá sonhadores! Como vocês se sentem em enterros e funerais? Já tiveram aquela sensação, aquele arrepio, de que há uma presença perto de vocês e não conseguem ver? Já sentiram aquele medo de que algo perigoso está próximo, respirando bem no seu pescoço? E a pergunta que não quer calar: vocês já viram o espírito de uma pessoa morta?

“Gente morta tem que falar a verdade, e tudo bem quando você quer saber a resposta para uma pergunta, mas, como falei, a verdade é uma merda às vezes.”

James Conklin seria um garoto comum se não fosse pelo fato de ver pessoas mortas. E não apenas as vê, como também pode falar com elas e descobrir qualquer coisa de suas vidas. Tirando este dom, que muitas vezes causa um calafrio em sua espinha, o garoto vive tranquilamente com sua mãe, que trabalha em uma editora de livros e, as vezes, utiliza o dom do filho para levar vantagem na vida. Geralmente os mortos desaparecem alguns dias após conversarem com o garoto, porém tudo muda quando o espirito de um terrorista resolve permanecer por mais tempo e atormentar a vida de Jamie. Pouco a pouco ele se dá conta que há algo mais do que apenas o espirito do falecido ao seu redor.

A primeira coisa que deixa o leitor curioso é o número de páginas da obra. Ao contrário das páginas infinitas e cheias de devaneios e aprofundamento psicológico, Depois possui uma proposta de ser curto, rápido e instigante, igual a literatura de banca de jornais dos anos 60. Isso acaba sendo atrativo, impulsionando o consumo rápido da obra e proporciona uma narrativa que nunca é entediante.

Outro ponto que chama a atenção, e que King tem trazido em algumas obras recentes, é a não adultização das crianças. Assim como em O Instituto, Jamie é uma criança real, ele tem medos, inseguranças, tem espinhas na cara, limites na sua compreensão do mundo e lida com as situações de acordo com a capacidade da faixa etária. E no fim, o amadurecimento é de acordo com o que ele precisava para aquele momento. Não parece uma criança agindo como adulto ou se tornando um.

O título parece estranho. Ele é repetido sempre na historia, coisas ficam jogadas para depois, depois e depois. Mas é proposital! Jamie não consegue entender algumas coisas naquele momento, ou tem um compreensão limitada dos fatos. Então, ele joga suas reflexões para mais tarde, para quando puder pensar melhor ou conseguir entender tudo.

Vale ressaltar também o relacionamento entre mãe e filho. Jamie e Thia são próximos, você sente a conexão entre eles, o carinho nos pequenos gestos e piadas internas entre eles. Uma mãe, que apesar de ser um pouco ocupada e de emocional confuso, consegue ser uma boa mãe. Stephen geralmente trás pais e relacionamentos abusivos em suas obras, como algo que impulsiona toda a trama, por vezes chocando o leitor com os fatos. Não vou dizer que não há esse elemento aqui. Sim, há! Mas ficou para o final e para revelar algo que de fato era importante.

Para quem gostou de The Colorado Kid, Joyland, O Instituto e do filme O sexto sentido, este livro vai trazer a reunião dos melhores traços de cada obra, de forma rápida, envolvente e repleta de um amadurecimento emocional perceptível do protagonista.

“A gente se acostuma com as coisas extraordinárias. Aceita como normais. Podemos até tentar não nos acostumar, mas é o que acontece. Tem coisa extraordinária demais no mundo, só isso. Em toda parte.”


Avaliação

Avaliação: 3 de 5.

Se interessou? Compre este livro pelo meu link da Amazon e apoie o blog!

SkoobGoodreads


Depois

Stephen King

ISBN: 978-85-565-1113-3

2021 – Suma

192 páginas (Pt/Br)

Sinopse: Um livro que demonstra todo o talento de Stephen King, Depois é assustador e emocionante, e fala dos desafios de crescer e aprender a distinguir o certo do errado. Uma história poderosa, perturbadora e inesquecível sobre o preço de encarar o mal, não importa sob qual forma ele se esconda.
James Conklin não é uma criança comum: ele vê gente morta. Com que frequência? Jamie não sabe bem; afinal, os mortos em geral se parecem muito com os vivos. Exceto pelo fato de que eles ficam para sempre nas roupas em que morreram, e são incapazes de mentir.
Sua mãe implora para que ele mantenha essa habilidade em segredo, o que não é problema na maior parte do tempo. Pelo menos até Liz Dutton, a companheira de sua mãe e detetive do Departamento de Polícia de Nova York, aparecer na saída da escola e anunciar que precisa de ajuda.
É assim que Jamie embarca em uma corrida para desvendar o último segredo de um falecido terrorista, e começa a jornada mais assustadora de sua vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s