Coração de Aço – Brandon Sanderson – Os Executores Parte 1

A resenha de hoje vai ser um pouco diferente. Recentemente terminei de ler Calamidade, o último livro da série Os Executores de Brandon Sanderson. Fiquei em dúvida sobre fazer uma resenha única para toda a série (como fiz com Desventuras em Série e O Guia do Mochileiro das Galáxias) ou individual para cada um dos três livros, e optei pela segunda ideia.

Então, hoje vamos falar sobre o primeiro livro da série: Coração de Aço. O prólogo conta sobre um evento no passado do protagonista, David. Neste acontecimento, ele viu seu pai sendo morto por Coração de Aço, um homem que, como vários outros, adquiriu super-poderes depois que a luz da Calamidade surgiu nos céus. Esses poderes, por algum motivo, corrompem as pessoas e as tornam egoístas, insensíveis e cruéis.

A história do livro se passa dez anos depois desse evento. Coração de Aço, dominou toda a cidade de Chicago e criou sua própria cidade, banhada em aço, onde ele tem controle absoluto. David, agora mais velho, ainda mora nessa cidade, e seu objetivo é vingar seu pai, matando seu assassino. O problema é que David é um humano comum, enquanto Coração de Aço é o que eles chamam de Épicos, humanos com super-poderes. E o pior, ele é um Alto Épico, e esta nomenclatura significa que ele tem poderes que o torna imortal. Coração de Aço tem a pele impenetrável, não há força física capaz de o matar, e graças a isso ele pôde realizar seu desejo de dominação. Mas todo Épico tem uma fraqueza. David passou a sua vida estudando Épicos em busca de descobrir qual seria a fraqueza de Coração de Aço, que ele sabia que existia, pois seu próprio pai conseguira feri-lo dez anos atrás.

Nesta busca por vingança, David conhece um grupo de humanos comuns, Os Executores, que tem como objetivo matar Épicos e livrar o mundo de suas maldades. Porém, por serem um grupo limitado e sem super-poderes, eles evitam enfrentar Épicos poderosos, em especial Altos Épicos como Coração de Aço, pois sabem que eles tem pouquíssimas chances de vencerem. Mas o que acontece é que David, através de sua determinação e carisma, consegue convencer os Executores a elaborar um plano para destruir Coração de Aço.

A partir disso, o livro narra como este grupo, liderado por Prof, o fundador dos Executores, e sua equipe Thia, Megan, Cody e Abraham, agora contando com a ajuda e os conhecimentos de David, executam o plano para destruir o grande vilão de aço e liberar a cidade de seu domínio. Mas essa missão não será fácil, pois Coração de Aço conta com a ajuda de outros Épicos sob seu comando, como Tormenta de Fogo, Punho da Noite e Confluência, tornando as coisas mais complicadas ainda.

Para quem gosta de super-heróis este livro é uma super recomendação. Claro que, neste caso, estamos falando de super-vilões, mas mesmo assim, você vai se surpreender com as revelações e plot-twists que Brandon Sanderson preparou. A escrita do autor também é fluente e objetiva, a história tem bastante ação e te prende do começo ao fim. Tenho certeza que não vai demorar muito para sair uma adaptação para o cinema.

Elantris – Brandon Sanderson

Depois de muito ter ouvido falar em como Brandon Sanderson tem sido um grande autor atualmente, resolvi dar uma oportunidade e comecei por Elantris, sua primeira publicação em 2005 (2012 no Brasil). Como sempre, li sem criar expectativas e me surpreendi com como a história foi envolvente.

O livro fala sobre a capital de Arelon, Elantris, uma cidade que outrora fora habitada por imortais que através de sua escrita sagrada chamada de Aons, dispunham de poderes dos mais diversos tipos, desde cura até transformação de pedras em alimentos. Mas tudo isso mudou. Sem explicação, os cidadãos Elantrinos perderam seus poderes e começaram a adoecer. Essa doença, que a princípio corrompia o corpo e a mente da pessoa, foi chamada de Shaod e atingia não só eles, mas também pessoas comuns que vivem até hoje em Arelon, os tornando Elantrinos: imortais, porém corrompidos. E assim, a belíssima cidade de Elantris entrou em decadência e hoje serve como uma espécie de prisão para todos os que são atingidos pelo Shaod.

Ela é narrada por três pontos de vistas, intercalando entre os capítulos. Porém, é sempre uma linha do tempo contínua, não é contada a mesma cena pelos pontos de vistas diferentes nos momentos em que eles se encontram. O primeiro é Raoden, príncipe de Arelon, que já no início acorda e percebe que foi atingido pelo Shaod e é condenado secretamente a viver a eternidade em Elantris, secretamente pois o rei não queria que o povo soubesse que a família real fora atingida pelo Shaod e anunciou que seu filho estava morto. A segunda é Sarene, uma princesa de outro reino, futura esposa de Raoden, que estava prestes a chegar em Arelon para conhecer o príncipe e descobre que já estava viúva antes mesmo de se casar. O terceiro é Hrathen, um representante da religião Shu Dereth que vai para Arelon com a missão de implantar sua doutrina.

Há inúmeros conflitos de interesses acontecendo na história, Raoden, seguindo seus instintos de liderança, quer tentar reerguer Elantris e a tornar o mínimo dignamente habitável para seus condenados. Sarene, que decidiu por vontade própria se casar com o príncipe de Arelon em busca de unir as nações contra Fjorden e a dominação religiosa que eles vem impondo, percebe que está sozinha, longe de casa e que depende apenas dos seus esforços para convencer os cidadãos de Arelon de que eles estão ameaçados e precisam de uma liderança mais forte. E Hrathen, que começa sutilmente seu plano de converter a população de Arelon. Os três são personagens profundos que tratam de assuntos como o que é ser um bom líder, a força da mulher e o questionamento da fé.

Em determinado momento do livro, os interesses de cada personagem começam a causar conflitos entre si e é neste momento que o autor mostra sua incrível capacidade para elaborar estratégias, intrigas políticas e muitas reviravoltas chocantes. Eu não li as Crônicas de Gelo e Fogo, mas suspeito que Elantris é um prato cheio para quem gosta desse tipo de história.

A construção dos personagens, tanto protagonistas, quanto secundários é muito boa, mas o que impressiona mesmo é todo o contexto histórico e religioso que o autor criou para que tudo faça sentido de ser como é e guardando até o fim o mistério do que aconteceu com Elantris no passado.

Concluindo, este é um livro incrível que recomendo e que com certeza abriu portas para eu ler outras obras do Brandon Sanderson. Aviso que no início as coisas podem ser um pouco confusas, devido a tantos nomes e conceitos expostos, mas que com calma tudo vai se encaixando. No final, a história se fecha, mas o universo fica aberto para uma possível continuação que com certeza eu gostaria de ler.

Para quem tem interesse, no site do autor existem duas histórias curtas que falam um pouco mais sobre o que houve depois. Está disponível somente em inglês, mas vale a pena conferir.