Resenha | O Código da Vinci – Dan Brown

Olá sonhadores! Chegou, por fim, a última resenha de um livro de Dan Brown (pelo menos até que ele lance outro!) aqui do blog. E para encerrar esse ciclo com chave de ouro, optei por deixar seu livro mais conhecido por último: O Código Da Vinci! Seja você fã do autor ou não, é inegável que sua fórmula alcançou muito sucesso e tornou essa obra um grande best-seller. Se você ainda não leu, mas tem curiosidade, venha comigo conhecer um pouco mais sobre a história e o que ela tem a oferecer!

“Quando duas culturas entram em conflito, o perdedor é obliterado, e o vencedor escreve a história – livros que glorificam sua própria causa e menosprezam a do inimigo perdedor.”

Sobre a História

O Código da Vinci é o segundo livro da série de Robert Langdon, mas caso você não saiba, os livros dessa série não são uma sequência, você pode lê-los em qualquer ordem. O que todos eles tem em comum é a famosa “fórmula” do autor, onde muda-se o tema, mudam-se os personagens, mas você claramente consegue perceber que os livros tem a mesma estrutura. E no começo dessa estrutura temos sempre nosso querido professor de Simbologia, Robert Langdon, se metendo em encrencas.

Desta vez, o professor Langdon se encontra em Paris para uma dar uma palestra e em seguida encontrar com Jacques Saunière, curador do Museu do Louvre, a convite do mesmo. Porém, antes do encontro ocorrer, Langdon é procurado pela polícia francesa, pois Saunière havia acabado de ser encontrado morto no museu de uma forma muito suspeita: o assassino deixara o corpo na posição do famoso Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci. Bazu Fache, o chefe da polícia, convida Langdon para ajudar na investigação com seus conhecimentos e simbologia e encontrar alguma pista que o assassino possa ter deixado no cadaver. Ao mesmo tempo, Fache quer manter o professor por perto, tentando de alguma forma faze-lo se entregar, afinal Robert é o maior suspeito de ter cometido o crime!

Neste momento entra em cena, Sophie Neveu, um criptologista da polícia que guarda o segredo de que ela é neta de Jacques Saunière e também que foi orientada por ele a descobrir a verdade com a ajuda de Langdon. Sophie convence o professor de que Bazu Fache tem apenas o objetivo de acusa-lo a qualquer momento do crime e que sua única esperança é contar com a ajuda dela para que ambos possam fugir e ir atrás do assassino por conta própria.

No meio dessa trama, a Opus Dei, uma polêmica ramificação da igreja católica, começa a mexer seus pauzinhos para colocar as mãos em um valioso tesouro antigo, o mesmo tesouro que, aparentemente, a família de Saunière tem escondido por séculos: O Santo Graal! Robert e Sophie partem para as mais diversas regiões europeias onde Leonardo da Vinci deixou pistas que indicam o caminho para este tesouro. Assim segue uma corrida contra o tempo com a polícia francesa e a Opus Dei em seus encalços.

Minhas Considerações

Por mais que algumas pessoas digam que os livros de Dan Brown sejam uma literatura barata e que ele se mantêm muito repetitivo ao elaborar suas histórias, eu não consigo não dar crédito a ele por fazer sempre algo criativo, que mistura a realidade com interpretações fantasiosas, e ainda conseguir fazer isso de forma dinâmica.

Acho até engraçado que essas sejam as principais críticas contra ele. Para mim, acho que em todos os livros, um grande problema realmente é que as aventuras acabam se estendendo tanto que em um determinado momento eu fico “mas não é possível que essa perseguição vai continuar eternamente!”. Chega a ficar um pouco cansativo e nunca vejo ninguém criticando isso. Mas felizmente esse problema consegue ser suprimido com os plot twists que tem durante a narrativa.

Como todos os outros livros também, eu não posso deixar de comentar que é sempre muito interessante como o autor explora obras artísticas tão antigas e misteriosas. O livro, antes de tudo, consegue despertar no leitor uma curiosidade e sede por conhecer e aprender sobre artes, cultura e história. Só isso já é o suficiente para eu declarar que o livro fez seu papel.

Se você ainda não leu esse livro, dê uma chance. Mesmo já tendo lido outros livros do autor e não gostado, mesmo se tem um certo preconceito devido a criticas que você ouviu, tente abstrair essas coisas e enxergar na obra o potencial de atingir pessoas que não costumam ter o hábito de ler e como é importante quando alguém consegue alcança-las.

“O pentagrama – esclareceu Langdon – é um símbolo pré-cristão relacionado com a adoração à Natureza.”


Avaliação

Avaliação: 5 de 5.

Se interessou? Compre este livro pelo meu link da Amazon e apoie o blog!

SkoobGoodreads


O Código da Vinci

Dan Brown

ISBN: 978-85-754-2113-0

2004 – Sextante

432 páginas (Pt/Br)

Sinopse: Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière consegue deixar uma mensagem cifrada na cena do crime que apenas sua neta, a criptógrafa francesa Sophie Neveu, e Robert Langdon, um famoso simbologista de Harvard, podem desvendar. Os dois transformam-se em suspeitos e em detetives enquanto percorrem as ruas de Paris e de Londres tentando decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica.
Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental – da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando com perfeição os ingredientes de uma envolvente história de suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade. “O Código da Vinci” prende o leitor da primeira à última página.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s